Serra da Arrábida e as Marmitas de Gigante

Uma bela actividade para início de um Novo Ano, em plena comunhão com a natureza, num dos nossos Parques Naturais
2003-01-11 (Sábado)

 


Era a 1ª actividade do ano, a 11 de Janeiro!

 

Aceitei o convite do AR LIVRE para ir passear até à Arrábida. Imaginei como seria bom voltar aos "velhos" sítios por onde tantas vezes andei, desde os começos do nosso Clube.

 

Não me enganei! Um dia magnífico, boa disposição a rodos, meia centena de companheiros, lá arrancámos, direitos ao Risco.

Acreditem na emoção que senti ao descobrir, queimadas pelo sol, as velhas marcas do GR "Entre Castelos", percurso pedestre entre Palmela e Sesimbra (há 18 anos o Ar Livre e eu estivemos na inauguração desse percurso); é sempre bom olhar a ‘marca da milha’ e escutar a sábia explicação de quem sabe...

As pedreiras estavam paradas, havia silêncio e, ao sol, durante o almoço, dormitei uns momentos e como que ‘revi’ o esforço e as vistas magníficas que se oferecem a quem atinge o Píncaro,‘relembrei’ os cuidados que os caminheiros devem sempre ter na alucinante descida, ‘imaginei’ a caminhada pelo leito da ribeira que, como por encanto e apesar das chuvas, permanece quase sempre seca, para espanto dos "novatos". Os guias chamaram, acordei, e lá fui monte acima, até ao Píncaro. Aí, a Jonas e o Fernando Cardoso Lopes resolveram fazer uma surpresa a todos, abrindo 2-garrafas-2 de bom e fresco espumante, que carinhosamente tinham carregado nas mochilas desde o início, e cantou-se os parabéns a você! Molhadas as gargantas, lá continuámos a caminhada como eu a havia revisto no meu pequeno sonho, com a única diferença de agora se chamar, às poças da ribeira, marmitas de gigante...

Que bem eu passei o meu dia de anos na Serra da Arrábida!...

José Veloso


Iremos este Sábado até à Serra da Arrábida.

Vamos mirar Sesimbra e provavelmente toda a costa Atlântica desde o Espichel ao Cabo da Roca, com Sintra no horizonte.

Iremos tocar na "Marca da Milha", ferramenta essencial dos nossos companheiros marinheiros, que apenas a vêem de longe.

Iremos igualmente sentir a pressão da exploração industrial das pedreiras que, devido a um "buraco" na legislação, tem tido um desenvolvimento desenfreado em pleno Parque Natural. Este assunto serviu de mote a documentário televisivo, que deu a Portugal um brilhante prémio, em reunião europeia sobre a defesa dos recursos ambientais.

E esperamos não ver nenhuma mancha de crude do "Prestige"...

E se o S. Pedro deixar, iremos percorrer o leito da Ribeira de

Terras do Risco para apreciar as suas marmitas, a que alguns chamam "de gigante".

Características do percurso: Dificuldade de duas botas e meia, com alguns desníveis, compensados plenamente pelas vistas que permitem desfrutar. Zonas pontuais de piso irregular sobre rochas calcárias erudidas.

Recomendações: Recomenda-se o uso de perneiras, botas e

bastão de marcha. Leve igualmente um bom agasalho, pois no alto da serra quase sempre faz frio. Não há água durante todo o trajecto.

Cartografia: Folhas 464 e 465 da Carta Militar de Portugal na escala 1/25000 do IGE.

Concentração: A concentração será às 10h00 no parque de estacionamento do desactivado supermercado Nobrescolha, a 50 metros da rotunda de Santana, direcção Setúbal (EN378).

Inscrição no local de concentração