Ourém e Aqueduto de Pegões

Do Castelo Medieval ao Aqueduto de Pegões…
2012-09-15 (Sábado)

A zona que vamos visitar não foi atingida pelo recente incêndio.


 

Do Castelo de Ourém ao Aqueduto de Pegões, passaremos pelo Parque Natureza do Agroal, terminando a jornada num fabuloso convívio com jantar incluído.

A actividade inicia-se com visita ao altaneiro Castelo Medieval de Ourém, cuja construção remonta ao séc. XII, tendo sido remodelado no séc. XV. Porém, acederemos a este monumento pela parte sul, onde a abordagem é mais vistosa, e com início em curioso pelourinho alusivo à Lenda da Mulher Morta, que dá o nome à pequena povoação!

Calcorrearemos a sua calçada medieval, que serpenteia colina acima, em direcção às portas de Santarém, pertencentes à entrada sul da vila medieval.

O Castelo, de planta triangular, apresenta, no centro do recinto, uma cisterna subterrânea. A torre virada a nordeste (Torre de D. Mécia) foi retiro da rainha com o mesmo nome, esposa de D. Sancho II.

No exterior do Castelo, a norte, encontra-se uma enorme esplanada (Terreiro de S. Tiago), onde outrora existiu uma igreja, que lhe deu o nome. Ao centro encontra-se a estátua de D. Nuno Álvares Pereira, 3º Conde de Ourém.

Cumpridas as visitas da manhã, retomaremos o autocarro para este nos deixar junto ao Parque Natureza do Agroal onde, após um pequeno trilho pedestre, chegaremos a um parque de merendas, junto ao rio Nabão, para aí tomarmos o nosso pic-nic.

Depois seguiremos o mesmo trilho, mirando o Retrato Natural duma Nascente Cársica (Agroal Selvagem), sendo a mais importante nascente do rio Nabão e, percorrendo mais um pequeno trilho, chegaremos ao Centro de Interpretação do Alto do Nabão.

Mais uma etapa percorrida e voltaremos ao autocarro, sendo largados no Aqueduto de Pegões (constituído na totalidade por 180 arcos), onde percorreremos o último trajecto pedestre da nossa actividade.

A construção deste aqueduto, cuja finalidade era a de abastecer de água o Convento de Cristo, iniciou-se em 1593 (reinado de D. Filipe I), por Pedro Fernandes de Torres.

A primeira parte do aqueduto terminou em 1614 na Mata do Sete Montes e só em 1619 se prolongou até ao Convento e ao Claustro de D. João III. Será aí, na Mata dos Sete Montes, que vai terminar o nosso percurso, para apreciarmos este maravilhoso jardim.

Na Mata dos Sete Montes contemplaremos a sua vegetação e arregalaremos os nossos olhos com os jardins de buxo francês e mata de ciprestes, oliveiras centenárias, pinheiros bravos e mansos e ainda carvalhos, sendo na alameda dos freixos que se forma o cortejo da Festa dos Tabuleiros.

Aqui teremos tempo livre até chegar a hora do jantar (incluído no preço da actividade), que se antevê como um fabuloso repasto.

Características do percurso: Percurso misto, variando entre urbano e de pé posto, sem dificuldades de monta e com uma distância global de 13km.

Recomendações: Não esquecer calçado confortável e farnel para o almoço.

Cartografia: Folha 299, 309 e 310 da Carta Militar de Portugal, na escala 1/25000.

Partida: Às 7h45 de Algés e às 8h00 de Sete Rios.

Participação em viatura própria: Dadas as características da actividade, não é recomendável a utilização de viatura própria, atendendo que se inicia em Ourém e termina em Tomar.


Preços:
Autocarro 34,00€ / Menores 21 anos 22,00€
Preços:
Viatura própria 24,00€ / Menores 21 anos 20,00€