Dia Mundial das Zonas Húmidas

Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros
2019-02-02 (Sábado)







ACTIVIDADE ESGOTADA! 
Só poderão ser aceites inscrições até ao dia 14 de janeiro,
por questões de logística e da marcação atempada das atividades indicadas 




Um dia repleto de multiactividades e que irá incluir:

- Visita guiada ao Algar do Pena
- Visita guiada ao Centro Ciência Viva (CCV) do Alviela-Carsoscópio
- Percurso pedestre explicativo nos Olhos de Água do Alviela
- Percurso pedestre interpretativo no ‘Polje’ de Mira-Minde
- Café Ciência à conversa com um investigador’ no CCV Alviela
- Lanche ajantarado no Restaurante ‘Olhos d’Água’

A 2 de fevereiro de 1971, na Convenção de Ramsar, acordou-se que deveria haver uma cooperação internacional no sentido de conservar e usar de forma sustentável as Zonas Húmidas, dadas as suas múltiplas vantagens, nomeadamente a manutenção da biodiversidade e a minimização dos efeitos das alterações climáticas.
Em 1997 foi criado o Dia Mundial das Zonas Húmidas, que seria o dia 2 de fevereiro, data em que o protocolo de Ramsar foi assinado. O objetivo era incentivar a realização, por parte de governos, associações e grupos de cidadãos, de atividades que alertem para a importância destas Zonas e para a necessidade da sua proteção.
Em cada ano é sugerido um tema, sendo o tema do ano de 2019 ‘Zonas Húmidas e Mudanças Climáticas’.
Neste sentido, o CAAL irá comemorar o dia 2 de fevereiro de 2019, Dia Mundial das Zonas Húmidas, participando em atividades promovidas numa parceria do Centro Ciência Viva (CCV) do Alviela e do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), e que terão lugar no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC) e, portanto, no Maciço Calcário Estremenho (MCE).
Supomos que o conjunto de atividades disponibilizadas para comemorarmos este dia é bastante aliciante.

Programa:
Começaremos às 9h00 por uma visita ao Algar do Pena, em sistema de rotatividade de grupos de 12 pessoas e que será acompanhada por 2 técnicos do ICNF/CISGAP (Centro de Interpretação Subterrâneo da Gruta Algar do Pena). Esta gruta, que só pode ser visitada por grupos e mediante marcação prévia, inclui a maior sala subterrânea conhecida em Portugal (125.000 m 3 de volume). A descida é feita por escada; a subida de elevador.
Prosseguiremos depois, de autocarro, para os Olhos de Água do Alviela, onde se localiza o Centro Ciência Viva do Alviela, que iremos visitar às 11h30. Este CCV aborda três temáticas particularmente ligadas à região onde se insere: a Água, o Carso e os Morcegos. Neste espaço privilegiado de aprendizagem não formal é assim possível desvendar os percursos subterrâneos da água a 3D, efetuar uma viagem virtual pelo MCE ao longo de 175 milhões de anos no Geódromo e ‘colocar-se na pele’ de um morcego através da exploração dos módulos interativos do Quiroptário.
Após o almoço, iremos ver as exsurgências do Alviela (a mais importante nascente do país) e faremos curto percurso de cerca de 1 km que nos permitirá ver a lapa da Canada, a perda e a ressurgência da Ribeira dos Amiais e o vale em canhão (vale fluvio-cársico) da mesma.
Às 14h30 rumaremos à vila de Minde, a fim de efetuarmos um fácil e curto percurso pedestre interpretativo ao longo do ‘Polje’ de Mira-Minde e que certamente nos permitirá observar as nascentes que, em anos particularmente pluviosos, contribuem para que este ‘polje’ seja transformado num grande lago. Este percurso será guiado por um monitor do CCV do Alviela, que falará sobre a importância desta Zona Húmida (Sítio Ramsar 1616): o seu património natural e as consequências que as alterações climáticas poderão trazer, num futuro próximo, para este ecossistema em que vivem múltiplas espécies.
Cerca das 17h30 regressaremos ao CCV do Alviela, para participarmos, às 18h00, num Café Ciência: uma conversa informal sobre Zonas Húmidas e Alterações Climáticas, entre um investigador do Instituto Politécnico de Leiria - MARE (Centro de Ciências do Mar e do Ambiente) e o público.
E, por falar em café, obviamente terminaremos este dia, preenchido com atividades tão diversas, com um lanche ajantarado, tomado no restaurante dos Olhos de Água do Alviela, o mesmo que alimentará os caminheiros que percorrerem a 7ª etapa dos ‘Caminhos de Fátima by CAAL’, duas semanas antes.

Características dos percursos pedestres:
Fáceis e praticamente sem desníveis, acessíveis a todos, com duração total de cerca de 3h30.

Cartas: Folhas 328 – Alcanede (Santarém), 318 – Mira de Aire (Porto de Mós) e 319 – Minde (Alcanena), à escala 1/25.000.
Informações de caráter científico (Geologia e Biologia) serão prestadas ao longo do dia, durante as atividades.
Partida: Às 7h00 de Entrecampos. Chegada a Lisboa (prevista) para as 21h30.

O preço inclui o reconhecimento da atividade, o transporte, o seguro, a informação escrita, a visita guiada ao Algar do Pena, a visita guiada ao Centro Ciência Viva do Alviela, o percurso pedestre nos Olhos de Água do Alviela, o percurso interpretativo guiado no ‘Polje’ de Mira-Minde (Sítio Ramsar 1616), o Café Ciência e o lanche ajantarado.

Venha participar nestas atividades; venha comemorar connosco o Dia Mundial das Zonas Húmidas ao Ar Livre!
Inscreva-se rapidamente, a fim de garantir a sua participação, porque as inscrições serão limitadas, dado o número máximo diário de visitantes do Algar do Pena indicado pelo ICNF e pelo CISGAP.
E atenção que, por questões de logística e da marcação atempada das atividades indicadas, só poderão ser aceites inscrições até ao dia 14 de janeiro.
Para mais informações, contactar a secretaria do Clube.

Preços:
Autocarro 34,00€ Jovens 14,00€
Preços:
Viatura própria 25,00€ Jovens 11,00€