Trilhos do arroz e da pinhoada

Por entre o casario de Al-Kassr percorrendo campos de arroz e zonas de pinhão
2019-05-18 (Sábado)


As fotos do José Brano Carvalho AQUI 

Autocarro ESGOTADO! SÓ DISPONÍVEL VIATURA PRÓPRIA

Alcácer do Sal é uma cidade histórica, debruçando-se em anfiteatro sobre o rio Sado, povoada de velhos bairros medievais e encimada por um castelo de base muçulmana.

Sede de município, enquadrada na região do Litoral Alentejano, pertence ao distrito de Setúbal e foi fundada pelos Fenícios cerca de 1.000 anos a.C.

Trata-se de uma das mais antigas localidades europeias, elevada a cidade em Julho de 1997.

Alcácer do Sal chegou a ser sede episcopal, foi capital da província Al-Kassr durante o domínio árabe, sendo desta denominação que provém o nome Alcácer. A localidade foi também sede da Ordem de Santiago da Espada, sendo Paio Pires Correia, Mestre Comendatário da Ordem de Alcácer do Sal, que nos anos 1234 a 1242 conquista para Portugal grande parte do Baixo Alentejo e do Algarve, onde se inclui Silves.

A par da sua importância geopolítica estratégica no passado, Alcácer do Sal é também região de arroz e montado com produção de pinhão.

As primeiras referências ao cultivo do arroz surgem no reinado de D. Dinis (séc. XIII-XIV), mas só a partir do séc. XVIII surgem os grandes incentivos ao cultivo deste cereal. A importância da cultura do arroz na região acaba por levar à construção de barragens, entre as quais, a Barragem Eng. Trigo Morais de 1949, também conhecida como Barragem de Vale de Gaio, a qual integrou uma atividade realizada pelo CAAL em Abril de 2017.

No período entre as 9h00 e as 11h00 será realizada uma visita não guiada ao Santuário do Senhor dos Mártires e uma visita guiada à Cripta Arqueológica que se situa no Castelo.

O Santuário do Senhor dos Mártires é um dos templos cristãos mais antigos de Portugal. Necrópole pública desde a Idade do Ferro foi depois uma ermida de romagem associada à ocorrência de milagres e panteão dos mestres da Ordem de Santiago durante a Idade Média.

A Cripta Arqueológica está localizada no piso inferior da Pousada D. Afonso II, que está enquadrada no Castelo de Alcácer do Sal. As escavações nos alicerces da fortaleza e do antigo Convento de Aracaelli, convertida no que é hoje a Pousada D. Afonso II, mostram vestígios de todos os povos que habitaram aquelas colinas ao longo dos séculos revelando a importância do lugar.

A atividade inclui um percurso pedestre nos arrabaldes de Alcácer do Sal (PR1) que se batizou como Trilho do Arroz, o qual passa por zona de montado, que se estende ao longo da linha de comboio até alcançar os campos de arroz.

Depois de um almoço em versão picnic debaixo das sombras do arvoredo, regressa-se à cidade percorrendo os caminhos de uso agrícola. Estando atentos, também será possível observar alguma avifauna local, como por exemplo cegonhas e garças. O percurso deve estar concluído pelas 17h00.

Pela tardinha, também haverá tempo disponível para conhecer a cidade (sugere-se a visita às velhas ruas estreitas dos bairros ao ritmo de cada um), e usufruir as esplanadas junto ao rio, sem esquecer a famosa pinhoada típica de Alcácer.

Contamos com S. Pedro para nos proporcionar um dia bonito e aproveitar a beleza dos locais!

Pelas 18h00, regresso a Lisboa para concluir a atividade.


Recomendações: Calçado confortável, roupa adequada à meteorologia prevista para esse dia, água, comida para o dia, chapéu, creme solar/guarda-chuva e máquina fotográfica.


Partida: Às 7h50 de Entrecampos.


Participação em viatura própria: Às 9h00 na Cripta Arqueológica que se situa no Castelo.


O preço inclui transporte, seguro, mapa do percurso e folheto da atividade, a visita guiada à Cripta Arqueológica e o acompanhamento e enquadramento CAAL.


Preços:
Autocarro 23,00€ Jovens 11,00€
Preços:
Viatura própria 11,00€ Jovens 7,00€