RIBEIRA DA PENA

2000-06-03 (Sábado)

Vamos deixar, simbolicamente, o nosso testemunho às gerações vindouras, nossas seguidoras na continuação da realização das caminhadas por estas florestas fora, plantando, com o apoio da Associação Ambientalista FARIO, sediada nesta zona, algumas árvores, numa das zonas mais bonitas de Portugal Ribeira da Pena. Devido, porventura, às difíceis condições de acesso, esta região ainda se encontra num estado selvagem (apesar da existência de vestígios de presença humana num passado recente) e, por isso, propícia ao desenvolvimento / manutenção de toda uma panóplia de flora (loureiros, azinheiras, azereiros, azevinhos, carvalhos, amieiros, etc) e de fauna (falcão-peregrino, açor, gavião, cegonha-preta, milhafre-real, etc), mas fortemente ameaçada pelas consequências de um progresso descontrolado.
Começamos por volta das 10h30, na estrada camarária (alcatroada) perto de uma zona de planalto Cimo do Carvalhal (860m). Rumaremos, primeiro por estradão a subir e depois a corta-mato, em direcção à importante crista quartzítica dos Penedos de Góis (1040 m). Continuaremos o passeio, agora a descer, primeiro a corta-mato até à aldeia de Povorais, quase desabitada, onde há abastecimento de água. Depois, iremos por estradão até à aldeia da Pena que fica mais ou menos a meio do percurso e onde faremos uma pausa para almoço.
Após retemperadas as forças, iniciaremos a caminhada, pela parte talvez mais espectacular, mas também a mais difícil, já que tem subidas e descidas, por vezes a corta-mato. Caminharemos ainda pelo leito da ribeira que esperamos não leve muita água, saltando de pedra em pedra e terminando a nossa actividade em Ribeira Cimeira.

Características do percurso: cerca de 12 km, de grau de dificuldade elevado, sem possibilidades de neutralização. 3 botas.
Cartografia: Folhas 242 e 243 da carta militar de Portugal (1/25000) do I.G.E.
Partida: Algés 06:30 e Campo Pequeno 06:45
Participação em viatura própria: não é possível.
Observações: possibilidade de abastecimento de água ao longo do percurso (a água da ribeira encontra-se na sua pureza natural). Aconselha-se a levar protecção para o sol e fato de banho para um sempre possível e apetecível mergulho nas águas límpidas da ribeira. Uso de botas obrigatório. Aconselhável a utilização de bastões e perneiras.

ACTIVIDADE RESERVADA A SÓCIOS DO C.A.A.L.. EXIGE INSCRIÇÃO PRÉVIA.

Região: Serra da Lousã
Local: Cimo do Carvalhal