À beira do Tejo

Abrantes, Tramagal e o Castelo de Almourol
2019-03-09 (Sábado)

 




Já há fotos!  

 

 

 







Saídos de Lisboa, iremos fazer uma visita guiada ao centro histórico da cidade de Abrantes.

A fundação de Abrantes ter-se-á verificado em meados do século XII, resultado da necessidade de defesa dos territórios conquistados e de assegurar a vida ativa de Santarém. Para melhor assegurar essa defesa, D. Afonso Henriques doou o seu Castelo e extenso termo à Ordem de S. Tiago da Espada em 1173 e, seis anos depois, concede-lhe foral (1179).

A 14 de junho de 1916, Abrantes é elevada à categoria de Cidade. O Centro Histórico de Abrantes é um espaço de elevado interesse cultural, comercial e artístico. Possui edifícios notáveis com valor arquitetónico e monumentos classificados.

Visitar o centro histórico é partir à descoberta do património construído, percorrer um espaço de lazer e animação, é desfrutar de pequenos recantos e miradouros. Pelas ruas e praças do centro histórico poderá encontrar ainda bem enraizadas lojas de comércio tradicional, das mais diversas áreas. Vale a pena passear pelas ruas do centro histórico e descobrir o Jardim da Republica, o Largo João de Deus, a Praça Actor Taborda, o Castelo, a Igreja de S. João Baptista, etc.

Seguidamente iremos para o Tramagal visitar o Museu da Metalúrgica Duarte Ferreira. Este é um museu que resulta do querer de uma população e da parceria entre a Câmara Municipal de Abrantes, a Junta de Freguesia de Tramagal e o Grupo Diorama (detentor do edifício do antigo escritório principal da fábrica onde está implantado o museu e também de grande parte do seu espólio). O Museu Metalúrgica Duarte Ferreira foi inaugurado a 1 de maio de 2017. Trata-se de um projeto que envolveu grande parte da comunidade, através da doação de espólio, da partilha de estórias e da identificação do acervo. Tudo isto faz deste um museu de território, com base na Nova Museologia, que visa preservar a memória e o património – material e imaterial – legado pelo portento da metalurgia nacional do século XX que foi a Metalúrgica Duarte Ferreira. É, portanto, um museu ao serviço da comunidade, das pessoas, com as pessoas e para as pessoas. Pretende ser um instrumento de desenvolvimento local, com a ambição de preencher o vazio identitário deixado pela extinção deste complexo industrial, com vista ao estímulo do sentimento de pertença através da didática do património.

No dia 25 de maio de 2018, o Museu MDF recebeu o Prémio de Melhor Museu Português do Ano, atribuído pela APOM - Associação Portuguesa de Museologia, que teve a chancela do Sr. Presidente da República. Na cerimónia, que decorreu no Museu dos Coches em Lisboa, o Museu MDF recebeu ainda uma Menção Honrosa, na categoria de Investigação, atribuída ao livro ‘Metalúrgica Duarte Ferreira 1879-1997: Uma História em Constante Metamorfose’, autoria da jornalista Patrícia Fonseca.

A próxima etapa será na aldeia do Arripiado, que fica situada na Freguesia da Carregueira a norte do concelho da Chamusca, junto à margem sul do Rio Tejo. É nesta bela povoação que começa a famosa Lezíria Ribatejana. A aldeia foi edificada em declive que desce até à beira-rio. Junto ao cais do rio, bem como dos pontos dominantes das cercanias, vislumbram-se panoramas ímpares das povoações das margens opostas do Tejo. É nesta típica aldeia, cujo casario branco trepa pela encosta e se reflecte nas águas do Tejo, que encontramos também os mais belos recantos floridos. As flores fazem parte da tradição desta Aldeia Ribeirinha, havendo mesmo a Rua e o Largo das Flores...

Às 15h30 embarcaremos para visitar o Castelo de Almourol o qual, situado numa pequena ilha escarpada, no curso médio do rio Tejo, é um dos monumentos militares medievais mais emblemáticos e cenográficos da Reconquista, sendo simultaneamente um dos que melhor evoca a memória dos Templários no nosso país. Não regressaremos a Lisboa sem uma escala na ‘Taberna da Rita’ em Pinheiro Grande, Chamusca, para aconchegar o estômago para a viagem para Lisboa….

Características da actividade: Actividade urbana, com muita cultura.

Recomendações: Apetite cultural e, em função do tempo, protecção para os percursos entre museus…

Partida: Às 7h00 de Entrecampos. Chegada às 20h30.

Participação em viatura própria: Concentração às 9h00 em Abrantes (Turismo).

O preço inclui transporte, seguro, informação, entradas e visitas guiadas, o barco, assim como o lanche.

 

 

 


Preços:
Autocarro 36,00€ Jovens 14,00€
Preços:
Viatura própria 22,00€ Jovens 14,00€